sábado, 12 de abril de 2008

Moção de Apoio dxs Estudantes negr@s graduandos e pós-graduandos do Movimento de Ocupação

Se hoje estou aqui só devo
a Dandara só devo a Zumbi


Ontem( 09/04 ) o ainda reitor Timothy Mulholland afirmou em entrevista que vêm sofrendo ataque forte perseguição política por grupos que são contrários a implementação de políticas de inclusão racial e social na UnB. Essa postura explicita mais uma vez a negação dos esforços envidados pela comunidade negra em uma luta ancestral que nos remete a agentes históricos como: Zumbi, Dandara, Ganga Zumba, Lélia González e uma infinidade de outr@s negr@s que compõem a Maafa. A Maafa é um conceito que designa o sofrimento e a opressão que une os povos negros num grito que não precisa de tutela: um grito de levante.
A política de cotas NÃO é uma criação do reitor Timothy. A discussão sobre políticas de ações afirmativas é muito anterior na cena política brasileira, sobretudo pela pressão exercida pelo movimento negro para que se instituíssem políticas de reparação a população negra.
É importante sublinhar que o ainda reitor apresenta uma versão distorcida dos fatos que afligem a universidade. Na tentativa desesperada de desviar o foco das denúncias que o cercam, Timothy Mulholland constrói uma estratégia vinculada a prática racista de colocar-se como tutor daquel@s que ele acredita estar favorecendo, no caso em questão @s estudantes egressos do sistema de cotas.
Assim sendo elencamos alguns exemplos capazes de demonstrar o descaso e falta de empenho da Administração Universitária, no trato com as questões raciais:
Falta de apoio e infra-estrutura ao programa de pesquisa Brasil Afroatitude;
Não solucionamento dos casos de racismo da UnB como o caso do incêndio criminoso provocado nas portas d@s estudantes african@s na CEU, bem como o Caso Kramer e o Caso Thadeu;
A falta de autonomia e infra-estrutura do Centro de Convivência Negra;
A ausência de uma política eficaz de assistência estudantil com um recorte racial.
Aqueles que são contra a democracia sempre serão contra a inclusão social da população negra, o que não justifica a conivência com o desvio de dinheiro promovido pelo reitor, dinheiro este que deveria servir às funções de ensino, pesquisa e extensão, bem como a expansão da política de inclusão racial e social.
Contudo, NÓS estudantes negr@s graduandos e pós-graduandos, politicamente ativos no movimento de ocupação repudiamos as afirmações feitas pelo ainda reitor em entrevista coletiva, de que as recentes manifestações contrárias aos abusos cometidos com dinheiro da Universidade são simples desdobramentos da resistência às políticas de inclusão racial e social.
Ainda reitor, nunca legítimo e jamais em nosso nome.
Ass: Estudantes negr@s graduandos e pós-graduandos do Movimento de Ocupação

Um comentário:

Murilo disse...

Apenas uma correção, as declarações de Timothy Mulholland fora mproferidas no dia 08/04