quinta-feira, 17 de abril de 2008

Assembléia dos Estudantes decide pela desocupação da reitoria


Os estudantes decidiram desocupar a Reitoria após quinze dias de movimento. Eles deixarão o prédio hoje, dia 18 de abril, às 12h. A decisão foi tomada na tarde de quinta-feira durante assembléia geral no térreo do edifício. Cerca de 500 alunos participaram da reunião. A desocupação não será imediata porque os estudantes estão passando a noite fazendo uma limpeza geral, para entregar o espaço em ordem.

O Movimento fez um calendário de atividades

18/04 (sexta-feira): Happy hour às 18h, em frente ao DCE

22/04 (terça-feira): Reunião do Fórum Permanente de Mobilização às 12h, na Reitoria.

23/04 (quarta-feira): Assembléia de professores, alunos e servidores.

De 23/04 a 29/04: Semana de intervenções e ampliação da participação dos estudantes nos colegiados da UnB para discussões da paridade nas faculdades e institutos.

28/04 (segunda-feira): Debate sobre paridade (ainda sem horário e local definidos)

29/04 (terça-feira): Debate sobre Reuni (ainda sem horário e local definidos) e paralisação com passeata em direção ao Conselho Universitário (Consuni)

30/04 (quarta-feira): Debate sobre Fundações (ainda sem horário e local definidos)

PS. A Assembleia da ADUnB aprovou a Paridade.

11 comentários:

bandeira disse...

Parabéns pelas vitórias!!!
Vocês deram uma lição de civilidade ao Brasil ao desmascararem o cinismo, falta de caráter com que o grupelho todorovista, morista e timostista infestou a nossa tão amada UnB.
Agora é preciso organização para consolidação das conquistas.
A meta maior agora é a paridade e o maior obstáculo é o lamentável conservadorismo dos docentes.
Mas o movimento estudantil terá habilidade e competência para superar essas resistências nefastas ao aprimoramento da nossa democracia.
Viva o movimento estudantil livre, à altura da tradição de resistência e luta da UnB.

Natalia disse...

Quero agradecer à equipe que se encarregou de cuidar do Blog: Obrigada! Aprendi bastante coisa por aki.

E quero ainda dizer que tenho muito orgulho fazer parte desta história (que está apenas no início, não é mesmo?).

Um abraço.

Fábio disse...

A vitória de vocês foi MONUMENTAL. Além de derrubar o Reitor e seu Vice, vocês souberam respeitar os limites do movimento e o encerraram na hora certa. Ao contrário de outras iniciativas estudantis, vocês não deram a ninguém a oportunidade de acusá-los de excessivamente intolerantes. A vitória sem BOM SENSO se transforma em derroda. Com BOM SENSO a vitória é GLORIOSA.

ana marta disse...

Eu pensei que estivesse tudo perdido, que o Brasil jamais sairia das mãos deses canalhas enganadores da fé pública, mas, quando vi os jovens invadindo a reitoria da UnB pedindo a saída de um reitor envolvido em improbidades, senti que ainda posso ter esperanças. Desocupem a reitoria, mas não desocupem o espaço da luta, porque eles se afastam apens o tempo suficiente para que outro fato aconteça e apague a memória do povo. Se a revolução começar pela educação, não terá volta...eles todos cairão.

Desocupado disse...

Fique a lição para todos os brasileiros, nós devemos nos revoltar e jamais aceitar as situações injustas e imorais. Talvez uma frase de um filme seja conviniente, em original do inglês:
"People should not be afraid of their governments. Governments should be afraid of their people." - V for Vendetta

Em todo caso acredito que sempre possamos nos manifestar novamente, e reivindicar nossos direitos.

Prototipo disse...

Haddad, o Lênin engomadinho da UnB
Os invasores da reitoria da Universidade de Brasília começam a desocupar o prédio amanhã. Não era pra menos. Roberto Aguiar, o reitor temporário, assinou um documento se comprometendo a atender a todas as reivindicações da turma. Logo, o nome do documento é rendição, já que o “acordo” foi feito com Paris ocupada, se é que você me entendem.

Fernando Haddad, saudado aqui e ali como um grande ministro da educação, coisa de que discordo de modo absoluto, pode ter dado à luz a forma mais chucra e rasteira de movimento estudantil. A causa original da mobilização era boa? Era, sim. O seu desdobramento pode ser desastroso para as universidades federais — de fato, para as universidades públicas.

Só não está resolvida a questão da paridade dos votos de alunos, funcionários e professores na já indecente eleição direta para reitor. É a LDB (Lei de Diretrizes e Bases) que estabelece que “os docentes ocuparão 70% dos assentos em cada órgão colegiado e comissão, inclusive nos que tratarem da elaboração e modificações (...) da escolha de dirigentes”. A UnB não tem poder legal para mudar a regra

Mas o “socialista” Haddad — assim ele se diz em livro — já apresentou a solução: a universidade faria consulta informal paritária, e os professores acatariam as escolhas. Entenderam o modelo? Os professores seriam bonecos de mamulengo das facções radicalizadas dos estudantes — que são as que se mobilizam para esse tipo de coisa.

A solução tem a cara de Haddad, um esquerdista de fala mansa, com ar ideologicamente asseado. Embora ela possa escrever numa linguagem herbívora, as suas intenções são carnívoras. Num livro publicado há menos de quatro anos — Trabalho e Linguagem – Para a Renovação do Socialismo — é capaz de afirmar coisas como (os destaques foram publicados na revista Época): “O sistema soviético nada tinha de reacionário. Trata-se de uma manifestação absolutamente moderna frente à expansão do império do capital”. Fazendo um pastiche vagabundo de Marx, sentencia sobre o passado, o presente e o futuro: “Sob o capital, os vermes do passado, por vezes prenhes de falsas promessas, e os germes de um futuro que não vinga concorrem para convalidar o presente, enredado numa eterna reprodução ampliada de si mesmo, e que, ao se tornar finalmente onipresente, pretende arrogantemente anular a própria história. Esse é o desafio que se põe aos socialistas. A tarefa, 150 anos atrás, parecia bem mais fácil”.

É pouco? Sabem o MST, este que está aí, ameaçando a produção com táticas terroristas? Haddad também pensa algo a respeito da turma: “Trata-se de um movimento que mudou completamente a pauta clássica de reivindicações: ele não reclama maior remuneração ou menor jornada, nem tampouco favores do Estado. (...) Revolucionariamente, o MST quer crédito, apoio técnico e autonomia. (...) São iniciativas dessa natureza, progressivas em todas as dimensões da vida social, que devem sempre chamar a atenção dos socialistas e lhes servir de inspiração para sua conduta política”.

Qual e a importância dos revolucionários de gabinete, como Haddad, com seu arzinho estouvado de filho das “classes superiores”? Fora do poder, nenhuma. Imaginem se alguém o levaria a sério como teórico. No poder, ele dá curso a maluquices como esta da UnB. A cobrança, justa, para que o Timothy Mulholland renunciasse degenerou na entrega do comando da UnB à militância mais atrasada, mais bronca, mais delirante.

Mayarê disse...

Orgulho de ter feito parte.
Parabéns pelas vitórias!

pedro disse...

Fala galéra...

o que vcs fizeram foi uma coisa inesperada... poucos teriam a ousadia de fazer o que vcs fizeram em 10 dias...

Foi muito bom e gratificante ficar acompanhando vcs...

espero que agora os futuros reitores saibam com quem estao mexendo...

Muito obrigado por mostrar para o Brasil como é que se faz!

para sempre "okupa, okupa, okupa e resiste!!!"

Luiz Felipe disse...

O tal do protótipo acha que é esperto,mas não teve sequer vontade de escrever um texto,colou toda a opnião do reinaldo azevedo,q pra mim eh um Maníaco!

O movimento está de parabéns foi de fato muito satisfatório ver como a ocupação reverberou em setores que pareciam alheios a causa...e digo não como espectador mas sim como alguem que testemunhou o que se passava nos corredores daquela reitoria ocupada.

O meu lamento porém permanecerá quanto a questão da paridade, já que era um quesito já muito questionado e anterior a própria ocupação e que agora provavelmente não será aprovado no Consuni devido a comoda e confortavel posição dos docentes, que provavelmente não abrirão mão de sua participação majoritária.

eh isso

Patrick disse...

SAIAM DAÍ VAGABUNDOS!!!

Esse petralha é tão desonesto quanto vocês! Foram vocês que plantaram esse semente maldita, agora querem passar por bonzinhos. Cai fora!!! Vocês não enganam ninguém.

João M. A. da Silva disse...

Muito bom pela democracia da decisão de desocupar a UnB...